Translate

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Adeuses

[NOTAS]

Como já dizia o velho clichê "tudo é passageiro", nada que vivemos pode ser para sempre. Tanto momentos bons, como ruins, nada será eterno. Com exceção dos romances em livros ou filmes, mas ainda que desejemos e façamos o possível para que nossos romances sejam duradouros o suficiente, algo de força maior sempre há de interromper. E ainda que haja um "felizes para sempre", ele é "até que a morte os separe".

Esse notas não vem pra falar da dor ou tristeza do que é efêmero. Mas não seria o fato dos momentos não serem eternos, o que mais valoriza cada instante? Neste notas vamos falar do que é adeus, de cada fim, de cada suspiro de final. Seja o adeus rasteiro ou proposital. As despedidas pro sempre e pro até mais. As fugas e os lutos. Adeuses em suas variadas formas.

Ninho, foi uma das primeiras publicações do Monóloguz, se não a primeira. Ela fala de um adeus, digamos que Universal, exceto àqueles, é claro, que nunca compartilharam da benção de uma família. Este poema narra a despedida do lar para uma vida adulta independente, sem uma mãe com seus cuidados e diálogs. Fala da saudade e da superproteção de antes.

Um dos primeiros também é o Ingênua Idade. Fala de uma despedida de personalidade. Retrata as trocas de pele para resistência e a ingenuidade de confiar.

Quando eu Morrer, é o adeus praticamente mais forte. Pois trata da Morte particular e individual. Sem querer dar muito spoiler, mas é uma carta à quem fica, escrita nos momentos em que o eu lírico mais sentiu a morte. Aborda dores, perdões e o que for deixado aos seus.

Culpa, é o adeus de alguém farto. O adeus de alguém injustiçado, mas feliz e satisfeito com o fim. Esse poema é muito mais que uma praga ou maldição, é uma promessa.

Poema Fumado é um tanto cômico, pois não deveria ser este o nome da poesia. Só tem este nome, pelo fato de ter sido escrito em um guardanapo e o mesmo ter sido rasgado uma parte para smoking, como mostra a imagem do post. Mas Digamos que esse poema, é a postagem que mais personifica este Notas, pois narra o adeus em suas formas aleatórias, que no fim, torna-se tudo apenas fumaça, figurativa e literalmente.

Meu Ex-amor, Amor VegetandoAcordar do Lado e Resquícios, são relutantes fins, que por um fio se equilibraram antes dos últimos suspiros. São despedidas que perduram até serem consumadas. Isso as qualificam como piores adeuses, os que não querem ser dados.

Garrafa de Desapego, Pôr Fim, Tão Bem Lembrado, Como Esquecido, Amém e Logo Parto, do contrário das anteriores referências, estes exemplificam os melhores adeuses. Adeuses dados por quem retomou as redias, adeuses dados por quem se apartou do que mal fazia, adeuses ao que oprimia e não teve merecimento do amor recebido.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente à respeito: