Translate

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Fútil e Manequim

[Fragmentos]

Há quem goste mesmo é das falsidades. Sorrisos e abraços, beijos no rosto e elogios forçados, antes de qualquer verdade que lhe doa. Há quem se aparte do que é bruto, sincero, do que não foi lapidado. Não sabendo lidar com a nudez da face, como se fossem grosserias as transparências, mantendo-se sempre perto do que é fútil e manequim.




Que Seja Pra Sempre

Que seja pra sempre
O calor dos abraços
O cintilar dos olhos
Simplicidade dos atos

Que seja pra sempre
Esse toque dos beijos
A sensatez ao raiar
Equilíbrio a repousar

Que seja pra sempre
A saudade fecunda
A sincronia das almas
O compasso estável

Que seja pra sempre
Que dure, que se torne
Que torna, que seja
Você e eu pra sempre.





Por: Wallace Oliveira


segunda-feira, 10 de junho de 2019

Na Luxúria e Nessa Gula

Algo tão caro, não pode estar assim em promoção nem estampado em vitrine, à espera do que se compre. Amor dado não é capricho satisfeito. Não é tamanho único, de se caber em qualquer um. Não é algo que se comercializa por bagatela, não é só a tampa da panela. Não é algo que se arruma ou se arranja, não é só a metade da laranja. Tem todo valor e não cabe em bandeja, é mais que do bolo a cereja. Caramelize, faça o doce. Fogo baixo pra não queimar. Mais Açúcar nisso, hoje teremos diabetes para sobremesa. Só depois do jantar, o faça esperar, na luxúria e nessa gula, saiba educar. Ainda que já se tenha lambuzando, isso deve parecer difícil de ser alcançado, mesmo que do contrário, e seu coração já tenha sido levado.





terça-feira, 28 de maio de 2019

Culpado Coitado

Culpa vida
Culpa tudo
Culpa a comida
Culpa o mundo

Culpa à Deus
Culpa os pais
Fracassos nunca são seus
Culpar à si jamais

Assumir erro aterroriza
E conjurar seus demônios
É o que lhe resta

Só se vitimiza
Não corre atrás dos sonhos
Nem para isso presta.

Vizinha Diferente 2/2

[Poesia Erótica]🔞

Sempre gostei de buceta
E das curvas da mulher
Nunca nem bati punheta
Pra nenhum homem sequer.

Mas com a mão lá eu continuei
Mesmo sabendo que não era correto
E de curiosa eu masturbei
O pau da vizinha ereto.

Eu não conseguia parar
E ela estava gostando
Mandando eu continuar
A roupa dela tirando.

Então fui avançando
E seu zíper eu abri
Pau grande babando
Me engasgado eu engoli.

Essa vizinha era uma surpresa
Pensei q fosse mais quieta
Me colocou em cima da mesa
Me deixando de perna aberta.

Me dedando todinha
Chupando meu grelo
Fiquei mais molhadinha
Quando puxou meu cabelo.


Ela latejando pra meter
Pensei que trans era passiva
Começou a me comer
Eu que sempre fui ativa.

Começamos na cozinha
E terminamos no quarto
Me fodeu todinha
Só socando de quatro.

Guardaríamos esse segredo
Sobre o que a gente fez
Ninguém poderia saber.

Se eu dei sem medo
Da próxima vez
Eu quem vai comer.

Anônimo 


quarta-feira, 15 de maio de 2019

Quem Foi Pelo Amor?



Quem foi pelo amor? Que o viram caído e ainda chutaram. Que o viram ferido e apedrejaram. Que o viram em coma nos aparelhos, e os desligaram.
Quem foi pelo amor? Que os bons conselhos não venderam, e como amigos ofereceram, a navalha para lhe sangrar.
Quem foi pelo amor? Que pondo lenha na fogueira, cada cobra traiçoeira, seu papel foi atuar.
Quem foi pelo amor? Que com a sola pisaram, e todas as portas fecharam, pro que ainda podia se curar.
Quem foi pelo amor? Que jogando a última pá de terra, como humano que não erra, e juíz a condenar.
Quem foi pelo amor? Que todos os possíveis aliados, um a um aniquilados, já não restam mais soldados, para contra-atacar.


domingo, 5 de maio de 2019

Absinto



O amor jamais lhe reservará o previsto. Ele jamais lhe trará o premeditado. O que embarca achando que vai viver aquilo que viu num filme ou TV, com todas as fórmulas e resultados em suas mãos, se frustra. O amor é labirinto, ele é faminto, é o amargo absinto, ao que espera a caipifruta. O amor tem suas barreiras, e armadilhas traiçoeiras, que de diversas maneiras, irão se levantar. O amor é imortal, é o bem e o mal, é a chave para o portal, do que não se pode esperar.


Limonando o Limoar

[Fragmentos]


Vou limonando o que me limoar.
Adoçando o suco, desse azedo sumo,
Que o limoeiro tem pra dar.


segunda-feira, 29 de abril de 2019

Paixão Pelo Errado



Se eu te ligasse no dia seguinte, será mesmo que você valorizaria? Se eu tivesse assuntos para todas as timidezes e quebrasse o gelo sempre que ele se formasse, você levaria tudo tão a sério? Se eu mandasse flores ao invés de simples convites para a cama, você pensaria tanto assim?
A princípio quiçá até diga que sim para estas questões, mas no fundo essa sua paixão é pelo errado, o pouco caso que lhe é feito. Não se mente amor, nem muito menos se trata como lixo. Mas tuas justificativas sobre o dedo podre e suas más escolhas, não são argumentos pras desilusões. 




domingo, 28 de abril de 2019

Pretexto

[Fragmentos]

Pegue depois. Deixarei tudo separado e alguém encubido de lhe entregar. Nada de tão essencial foi esquecido aqui, para que tenha pressa de regressar. Não me apareça, pelo menos não tão cedo, nem use outro pretexto, além de buscar suas coisas. Se houver alguma dívida, depósitos e saques devem resolver.



domingo, 21 de abril de 2019

Dois Dedos de Café

Pode ficar pra você, muito obrigado. Esse resumo do que você é, nem tire do bolso. Sequer mergulhou para achar o amor dentro da concha, não é barganha tal preciosidade pelo que é fajuto. Nem me mostre o quão pouco é o seu recíproco, guarde para si. Eu quero o que é inteiro, quero copo cheio, nada pela metade. Nem me sirva se forem só dois dedos de café.




sexta-feira, 5 de abril de 2019

Gemido é Dialeto

A língua permita
Lhe percorrer
Molhada excita
Te dá prazer. 

Língua estrangeira
Gemido é dialeto
Do orgasmo à beira
Subindo ao teto. 

No silêncio do toque
Sexo é assunto
Que irá responder?

Não me provoque
Eu te pergunto
Você sabe gemer?




quinta-feira, 4 de abril de 2019

Me Levar, Vou Deixar

[Fragmentos]

Vou deixar, me levar. Me levar pra pegar um ar. Me resgatar, me levar pra tomar umas, vou deixar. Uns goles de liberdade, m'embriagar. Pra passear, me levar, me dar uns beijos se tentar, vou deixar. Pra ver um filme no cinema, me levar. Onde o escuro me lembra, em que irei mergulhar, vou deixar.


segunda-feira, 1 de abril de 2019

Vizinha Diferente

[Poesia Erótica]🔞
1/2

Eu e minha namorada
Nos mudamos para um apartamento
Por uma boa temporada
Mas que coubesse no orçamento.

A vizinhança não nos cumprimentava
Nos sentíamos esquecidas
E alguns até nos encarava
Por sermos lésbicas assumidas.

Até que em uma vizinha diferente
Andei reparando certo dia
Ela morava quase de frente
E nos cumprimentava e até sorria.

Suas pernas eram lindas
E eu não parava de olhar
Quando ela me deu boas vindas
Me convidando para entrar.

Disse para eu me sentar
E um chá me ofereceu
Começamos a conversar
Até que a coragem bateu.

Elogiei sua beleza 
E continuei a falar:
Essas pernas eram a fraqueza
De por fim eu adulterar.

Então fui avançando
E ela não recuou 
Minha mão ela foi pegando
E em sua calcinha colocou.

Continuei a apalpar
Já que era consensual
Mas algo ela queria me mostrar
E era o tamanho do seu pau!


CONTINUA...

- Anônimo -


terça-feira, 19 de março de 2019

Coração Pequeno

Depois de tanto tempo, e o que ficou nítido, é que a mágoa sempre foi maior do que o que se sentia. Ou até mesmo o que se sentia, fosse tão grande, que multiplicou o peso do erro e já não foste mais capaz perdoar. É uma pena banires os perdões de chegarem ao coração. Passado. Grande fábrica essa de fantasmas. Onde nem sempre o tempo é o melhor remédio e também pode ser um belo veneno. Estas palavras estão longe de ser uma forma de resumir ou minorar os erros, mas são para medir o tamanho do perdão negado e o quão pequeno era o coração, para que nele não coubesse nenhuma remissão.